segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Fazenda em que Monteiro Lobato viveu faz 140 anos

Celebração da data reacende polêmica sobre localização do Sítio do Picapau Amarelo, onde o escritor teria nascido
 
Ao completar 140 anos - conforme registro na porta de entrada -, a antiga Fazenda Buquira, hoje Sítio do Picapau Amarelo, localizada na Estrada do Livro, a oito quilômetros da cidade de Monteiro Lobato, no Vale do Paraíba, prepara uma surpresa para 40 crianças de escolas públicas locais. Serão elas que, na quarta-feira, apagarão as velas e cantarão Parabéns a Você para marcar simbolicamente o início da carreira de Monteiro Lobato como escritor de literatura infantil. 

Luciano Coca/AE

Luciano Coca/AE
Foi no casarão de 19 cômodos e 80 janelas, construído em 1870, que ele escreveu Urupês, o primeiro livro de uma série que o consagraria como escritor.
Mas a data serve também para levantar a antiga polêmica sobre a localização do verdadeiro Sítio do Picapau Amarelo, onde Lobato nasceu e viveu. Seria em Taubaté, na Chácara do Visconde, onde são recebidos milhares de turistas? Ou seria na fazenda, onde "atrás do casarão corre um rio de águas claras, onde peixinhos nadam de olhos arregalados", como descreveu o autor?
A verdade é que não há documentos que comprovem exatamente o local onde o escritor nasceu. "Procuramos comprovar a veracidade de fatos como nascimento ou entrada e saída dele da faculdade. Não tivemos acesso a isso. Nem nós nem ninguém", diz a professora aposentada Maria Lúcia Ribeiro Guimarães.
Filha de João Xavier Ribeiro, da família que comprou a fazenda de negociantes, após ser vendida por Monteiro Lobato, ela defende a tese de que o escritor nasceu ali, onde também estaria o verdadeiro Sítio. Sobre a dúvida de o nome do escritor ser José Bento ou José Renato, Maria Lúcia diz que "não há nada que prove que ele se chamava José Renato. Existe política por trás disso e pessoas enganando outras". Segundo ela, a cópia da declaração da filha mais velha de Lobato dizendo que o pai "contava" que era de Taubaté é o único vestígio dessa afirmação.
Leitora apaixonada das obras do autor, ela mantém e dirige há 18 anos o museu que funciona na fazenda, aberto em 1973. Lá, é possível comprar todos os títulos de Lobato. "Estamos comemorando também o nascimento do escritor. Foi nessa casa que ele escreveu Urupês e criou o Jeca Tatu. Foi aqui que começou a enviar crônicas para o jornal O Estado de S. Paulo", afirma.
Segundo consta, Lobato morou na fazenda de 1911 a 1918. Ele havia se formado em advocacia e voltou para Buquira, tornando-se fazendeiro após a morte do avô, de quem herdou a fazenda. "É quando ele resolve escrever para crianças", diz Maria Lúcia.
O casarão do Sítio foi reproduzido nos cenários da primeira versão para a televisão das histórias de Lobato, na década de 1950, pela TV Tupi. "Aqui nunca foi gravado nada. Vieram fazer maquetes, depois trouxeram artistas para fazer laboratório e nunca voltaram. Mas foi a versão que trabalhou melhor o escritor", afirma Maria Lúcia.          
Visitação. Sala em que Monteiro Lobato fazia suas reuniões. Foto: Luciano Coca/AE


Evidências. A diretora do museu aponta evidências que confirmariam sua tese, entre as quais o fato de que na época do nascimento de Lobato a fazenda pertencia a Taubaté. "Em 1948, ano da morte do escritor, o local se emancipa e, em homenagem a ele, recebe seu nome."
Outra possibilidade seria a mãe dele ter passado uma temporada na fazenda só para dar à luz. Quarto e cama onde ele teria nascido foram preservados. "Ele era neto bastardo do Visconde de Tremembé."
A professora menciona citações que Lobato fez em cartas a amigos em relação à fazenda, dizendo que a casa é tão grande que "poderemos passar um mês dentro dela, sem nos encontrar, pois a casa tem só 80 portas e janelas". "Não há nada disso sobre outros sítios: mangueiras e jabuticabeiras e riozinho com cachoeira atrás do casarão só aqui tem", diz a professora.

Contestação. O professor Carlos Roberto Rodrigues, pesquisador da vida e obra do escritor, contesta a versão de Maria Lúcia. "Não tenho dúvida de que Monteiro Lobato nasceu na Chácara do Visconde. Não há explicação para que a mãe dele fosse fazer o parto tão longe."
Rodrigues concorda que faltam documentos que provem onde Lobato nasceu, a não ser alguns da Cúria de Taubaté. O pai de Lobato, segundo o professor, era dono da Fazenda Paraíso, em Pindamonhangaba. "Lá também tinha riozinho e lá era o Reino das Águas Claras", rebate.
Segundo o pesquisador, Lobato passava férias em vários lugares do Vale do Paraíba, mas as descrições das cartas são referentes à chácara em Taubaté. "Se ele fala sempre em sítio, não poderia ser uma fazenda", destaca.

 Por: João Carlos de Faria - O Estado de S.Paulo
Fonte:  ESTADÃO
Acesso: 25/10/2010

Nenhum comentário: