quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Extraño

A proximidade do fim do semestre me angustia! Parece que a cada dia descubro dez livros que ainda não li e que parecem ser fundamentais! Ontem, por exemplo, cheguei à conclusão de que provavelmente tenha que acampar na biblioteca qualquer dia desses... em quinze minutos, listei oito livros cujos capítulos podem ser importantes. É lógico que nem todos serão citados ou de fato utilizados, mas no mínimo lidos.  E é ai que começa o dilema. Mas tudo bem... até aqui... tudo bem!

Há dias não escrevo nada de próprio ‘punho’ – se é que assim pode-se dizer – aqui no blog. Mas creio que em função do que citei anteriormente, fica claro o motivo: tempo. No pouco tempo que tenho tido, ‘anoto’ coisas que me interessam, que fazem algum sentido para mim. Embora pareçam levemente ‘desconexas’. No somatório geral é aquilo que já postei aqui lá no [re]início: sempre com um pouco de mim. E não poderia ser diferente...

Hoje consegui acordar cansada do mundo. Isso já aconteceu com algum/ma de vocês? Cansada das fachadas, da educação moldada e falsa, do riso amarelo, do ‘muito barulho por nada’. Seria tão simples se as pessoas fossem elas mesmas... mas é sempre preciso erguer a máscara. É como dizia Renato Russo: “um dia pretendo tentar descobrir por que é mais forte quem sabe mentir”. E nesse ritmo vestimos as armaduras necessárias para enfrentar o trânsito, o trabalho, a família... Onde estamos, afinal?  Por que perguntar ‘quem somos’ é muito clichê.

E para continuar essa quinta-feira – que já corre – deixo por conta do Nenhum de Nós.

4 comentários:

. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
'Euridene Costa disse...

Gostei da música não a conhecia.
Acho também estranho!

Lucas Esteves disse...

Ahhhh, você nosta de Nenhum de Nós tb!:-D
Vou tentar descobrir alguma falha no seu gosto músical, hehehe

Sabe, às vezes eu odeio mais o mundo, as pessoas...mas aí me sinto culpado por odiar, e logo isso passa...o ódio, geralmente vira indiferença para algumas coisas. Mas não dá pra sentir indiferente a tudo e a todos...realmente, é estranho...

Carolina Mussoi disse...

Pois é! Mas quando o ódio vira indiferença é porque já cicatrizamos o que aconteceu... o problema é que tem 'feridas' que nunca fecham! :-(

E calma! Vais descobrir falhas no meu gosto musical sim! hahahaha ;-)