quarta-feira, 25 de março de 2015

Livros 2015 - O livro dos sonhos


Livro - L&PM Pocket - O Livro dos Sonhos - Jack Kerouac

Jack Kerouack – e me pergunto por que comecei pelo livro mais difícil dele!


E dando sequencia às leituras deste ano (escrevi sobre isso aqui), chegou a hora de falar do livro mais difícil da minha lista de ‘lidos’ até então: O livro dos sonhos. Para o autor – ninguém menos do que o sujeito com a alcunha de ‘pai da geração beat’ – foi um trabalho facílimo de fazer. Pode ser... Afinal o autor e sua obra se dão melhor do que qualquer intermediário! Mas para um leitor desavisado... 

O autor

A L&PM, editora do volume que li, tem uma referência bem interessante sobre Jack K, bem pontual e que já nos dá uma boa ideia do perfil do autor! Vale a pena conferir: Jack Kerouac – Vida e Obra. Mais informações sobre ele você pode encontrar aqui (em inglês).

A história
Trata-se, na verdade, de um compilado de histórias, resultantes dos registros dos sonhos do autor. Isso ele mesmo explica quando descreve um pouco do seu processo criativo:

 “[...] quando acordava, depois de horas de sono, ficava simplesmente deitado, ‘vendo’ os quadros que se desfaziam aos poucos, como fins de cena de um filme, para se refugiarem nos recessos do meu subconsciente. (...) Assim, logo levantava da cama, com os ossos moídos e os olhos inchados, para rabiscá-los rapidamente à lápis na agenda, até esgotar todos os detalhes possíveis – escrevendo sem parar, de modo que o subconsciente pudesse manifestar a sua própria linguagem, isto é, de forma ininterrupta, fluente e agitada”. Jack Kerouac  - L&PM POKET

Veja agora o resultado desse processo:



 Frutos de um narrador onisciente (e onipresente), as histórias não se apresentam em capítulos ou ordem cronológica. São pequenas narrativas que, em alguns momentos se relacionam e, em outros, são completamente desconexas. Sabe-se que é um novo ‘sonho’ pela demarcação da primeira linha em letras maiúsculas.
Esse compilado de sonhos – sejam eles oriundos de sono ou de abuso de álcool e benzina – reapresenta personagens de outras obras, como On theRoad e Os subterrâneos e Os vagabundos iluminados. Amigos reais também são citados em meio à turbulenta criatividade do autor. Mas não se chega desavisado a isso: na introdução, Jack se dirige ao leitor em primeira pessoa, apresentando como todas as páginas foram concebidas e indicando quem são os personagens da obra.

Introdução, com indicação de leitura das personagens.


Curiosidades:

O estilo de escrita - Fluxo de consciência (sobre o que se entende por Fluxo de consciência na Literatura)
A geração beat - O que foi isso (explicação sucinta e descolada da Revista Mundo Estranho)

Nenhum comentário: