sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Jour 1





"[...] C'est le jour 1, celui qu'on retient
Celui qui s'efface quand tu me remplaces
Quand tu me retiens
C'est celui qui revient
C'est le jour 1, celui qu'on retient
Celui qui s'efface quand tu me remplaces
Quand tu me retiens
C'est celui qui revient [...]"

Porque sim! ;)

sábado, 22 de agosto de 2015

O monstro

Precisamos,  às vezes,  acordar o monstro que vive dentro de nós. Só assim mostramos a ele que seguimos firmes no comando.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Mas e a vida?

A vida é aquilo que acontece enquanto olhamos distraídos e displicentes pela janela. Sorrimos com uma lembrança boa, que nos mostra que nada é mero acaso.
A vida é aquele tapa na cara... que vai doer sempre mais em quem agrediu do que em quem ofereceu  o outro lado da face.
A vida é aquele baú guardado num canto e que, vez ou outra, precisamos abrir para lembrar o porquê de aquilo estar lá ainda.
A vida é aquilo que vai acontecendo enquanto tentamos nos acostumar a ter menos certezas e adotarmos mais o "agora eu sei"; "agora entendo".
A vida é aquilo que não controlamos na hora-relógio e, menos ainda, no relógio de ponto.
A vida é, como diz a música,  uma sequência de encontros e despedidas. 

Despedidas.

Sempre achei que não houvesse nada pior do que elas... Há.  O não poder despedir-se quando, ao olharmos distraídos pela janela, alguém nosso se desliga no relógio de ponto da vida.

Saudades,  Vô. Das histórias, das músicas altas no fone de ouvido, das engenhocas criadas,  das tapiocas, com 'leite de coco de verdade'; das palavras certas - às vezes nas horas erradas; das danças pouco equilibradas; do amor incondicional por nós e por Querida.

Seriam 83 no último dia 19.

Parabéns.  E obrigada.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Coisas que não saem da cabeça da gente...


...Músicas que colam mais do que Jingle de verão...

Cai a tarde sobre os ombros da montanha onde me largo
O dia não foi, a noite o que será
Meus cabelos pela grama e eu sem nem querer saber
por onde começo e onde vou parar

Na imensidão do amanhã
meu amor se mudou pra Lua
Eu quis te ter como sou
mas nem por isso ser sua

Vou adiante como posso, liberdade é do que gosto
O dia nasceu, azul é sua forma
Já não quero mais ser posse, fosse simples como fosse
Um dia partir sem ganchos nem correntes

Façamos um brinde, façamos um brinde
à noite que já vai chegar
Façamos um brinde, façamos um brinde
ao vento que veio dançar

Kid Abelha - Meu amor se mudou pra Lua


À noite sonhei contigo
E não tava dormindo
Justo ao contrario
Estava bem desperto

Sonhei que não fazia
O menor esforço
Para que te entregasses
Em ti já estava imerso

Que lindo que é sonhar
Sonhar não custa nada
Sonhar e nada mais
De olhos bem abertos
Que lindo que é sonhar
E não te custa nada mais que tempo

Sofrer com tanta angústia
Por coisas tão pequenas
Gastar essa energia
Assim não vale à pena

Quem dera me livrar
Pra sempre de mim mesmo
E só me reencontrar
Lá no teu doce abismo

Kid Abelha - À noite sonhei contigo